05/04/2024
 | 
Leitura: 10 min

Como criar um banco digital do zero? Confira dicas

Se você já se perguntou sobre os bastidores da transformação digital nos serviços financeiros e quer saber como colocar sua empresa na dianteira do mercado, este é o lugar certo.

Vamos falar sobre como criar um banco digital, um tema que tem ganhado relevância no universo online.

Os aplicativos bancários existem desde 2008 no país. Porém, de lá para cá surgiram muitos avanços tecnológicos.

Caso não saiba, oito em cada dez transações bancárias no Brasil são realizadas na internet ou por meio de apps, segundo o Valor Investe.

Portanto, a ideia de empreender no setor financeiro não se restringe a bancos tradicionais. Ou seja, significa que empresas de diferentes segmentos podem buscar um serviço especializado para criar um banco virtual e disponibilizá-lo aos seus clientes.

Para saber mais sobre o tema, acompanhe a leitura!

O que é um banco digital?

Um banco digital é uma instituição financeira que oferece serviços bancários de forma online, sem a necessidade de agências físicas.

Ele proporciona acesso a contas correntes, cartões, empréstimos e investimentos por meio de aplicativos e plataformas na web.

Esse tipo de banco tem boa aceitação, por exemplo, da geração Z. Segundo a Anbima, entre os que utilizam canais digitais, a exemplo de bancos e corretoras, para procurar por informações de investimentos:

  • 22% são da Geração X (de 41 a 60 anos);
  • 32% são Millenials (de 26 a 40 anos);
  • 40% são da Geração Z (de 16 a 25 anos).

Para criar um banco digital é preciso implementar o BaaS (Banking as a Service), que se refere à tecnologia que dará vida aos serviços bancários.

Além disso, outro fator relacionado é o Embedded Finance, que traz soluções financeiras para empresas de diferentes setores.

Por que criar um banco digital?

No contexto do Open Finance e da transformação digital, ao eliminar a necessidade de agências físicas, os bancos digitais proporcionam conveniência e acessibilidade aos clientes.

Ou seja, permite que eles realizem transações e acessem serviços bancários a qualquer momento e de qualquer lugar.

Isso não apenas atende às expectativas dos potenciais usuários que buscam praticidade, mas também reduz os custos operacionais associados a agências físicas.

Ainda, os bancos digitais podem identificar oportunidades de negócios, personalizar ofertas e aprimorar suas estratégias de marketing e vendas.

Quais são as vantagens de criar um banco digital?

Existem diversos benefícios de criar um banco virtual, como atração de leads, aumento das receitas do negócio, entre outros. Confira abaixo!

Atrair mais clientes

Os bancos digitais atraem clientes que buscam flexibilidade em suas transações bancárias. Sabe aquelas enormes filas de espera para quem deseja abrir uma conta? Essa etapa é eliminada com um banco digital.

Criar um banco digital permite acesso facilitado, não sendo necessário cumprir todas as burocracias de um banco físico.

Assim, o banco virtual permite plantar as sementes do relacionamento com clientes potenciais e com os existentes. É como semear em terreno fértil para ver o seu negócio crescer.

Oferecer serviços financeiros sem ser uma instituição bancária

Os clientes não precisam se deslocar de casa para realizar transações financeiras, o que traz maior comodidade e economia de tempo.

Outra questão é que os bancos digitais têm maior autonomia para introduzir novos produtos e serviços, bem como para aprimorar a experiência do cliente por meio de tecnologias avançadas e soluções personalizadas.

Reduzir custos do negócio

É possível enxugar as despesas com um banco virtual. Afinal, os custos operacionais associados à manutenção de agências, aluguéis, despesas de pessoal e infraestrutura são reduzidos de forma significativa.

Com isso, essas plataformas digitais oferecem taxas competitivas e as tarifas costumam ser menores que as de bancos tradicionais.

Ter mais fontes de receitas

Um ponto que chama muito a atenção dos empreendedores é poder diversificar suas ofertas de produtos e serviços, elevando consequentemente a receita do negócio.

Ou seja, pode oferecer cartões de crédito, empréstimos, investimentos e seguros. Ao mesmo tempo, gera receitas por meio de taxas, juros ou comissões.

Você já deve ter ouvido aquela expressão: "não coloque todos os ovos na mesma cesta". Ela se aplica neste contexto para quem deseja abrir novas janelas de oportunidades.

Além disso, os bancos digitais podem atuar em parceria com outras empresas e instituições para oferecer produtos complementares, como programas de cashback e descontos em compras.

O que é preciso para abrir um banco digital?

É importante dispor de tecnologias avançadas que possibilitem a oferta de serviços financeiros de forma simplificada. 

Por exemplo, para obter a licença junto ao BACEN (Banco Central do Brasil), é necessário estar adequado às regulamentações financeiras, além de garantir capital mínimo.

É preciso seguir, também, as demais resoluções — como a Resolução nº 2607 da instituição, que estipula os critérios para a criação de bancos digitais. 

Entretanto, a fim de otimizar o processo e democratizar a entrada ao mercado financeiro, as empresas chamadas como BaaS (Banking as a Service) oferecem toda a infraestrutura e tecnologia para que qualquer empresa possa operar como banco digital.

O intuito é garantir que os processos bancários e produtos digitais funcionem de forma segura e de acordo com as normas da Febraban (Federação Brasileira de Bancos).

Passo a passo: como criar um banco digital?

1. Pesquisa de mercado e identificação do público-alvo

A pesquisa de mercado permite entender as necessidades, preferências e comportamentos dos consumidores. Além disso, deve-se analisar, também, as características demográficas e psicográficas do público-alvo.

Por exemplo, faixa etária, renda, modo de pensar, estilo de vida e hábitos de consumo. Onde o consumidor ideal mora? Qual é a profissão? Quanto ganha? O que faz nas horas de lazer? Esses são alguns exemplos de perguntas que precisam ser respondidas. 

Assim, a identificação do público-alvo ajuda a direcionar os esforços de marketing e desenvolvimento de produtos para atender as expectativas desse grupo de consumidores.

Para entender como criar um banco digital, outra etapa é avaliar os concorrentes diretos e indiretos no mercado de bancos digitais, identificando suas estratégias, pontos fortes e fracos e como eles atendem aos desejos do público-alvo.

Ainda, é preciso compreender as tendências atuais e futuras do mercado, como o nível de preferência por serviços, a adoção de novas tecnologias financeiras e as demandas dos usuários.

2. Regulamentação e licenciamento

É necessário garantir a conformidade com as leis e regulamentos financeiros, incluindo requisitos de capital, proteção ao consumidor e prevenção à lavagem de dinheiro, além de obter licenças para operar legalmente.

Do ponto de vista ético, a empresa precisa construir pontes de integridade para evitar problemas futuros.

Um banco digital deve priorizar a transparência nas práticas comerciais e proteção dos dados dos usuários. Isso inclui a implementação de políticas de privacidade e a garantia de segurança cibernética.

3. Tecnologia

As tecnologias dos bancos digitais são a alma do negócio: abarcam a escolha do provedor, a segurança, os tipos de plataformas e os servidores. Entenda a seguir.

Provedor

Um dos passos que fazem parte da criação de um banco digital é a escolha do provedor ideal de BaaS. Ele precisa ter uma plataforma que possa ser otimizada para o seu negócio, de modo a ofertar os produtos que sua empresa precisa.

Isso pode incluir onboarding digital, a exemplo de soluções de biometria, sistemas de gestão de contas de pagamento, monitoramento contra fraudes, APIs (Interface de Programação de Aplicações) para documentação, plataformas de conciliação financeira, entre outros.

Segurança

Vamos entender uma questão indispensável: adotar medidas e protocolos de segurança avançados para proteger as informações pessoais e financeiras dos clientes contra acessos não autorizados, vazamentos ou uso indevido.

A prevenção de lavagem de dinheiro também é uma preocupação central para qualquer instituição financeira. Dessa forma, deve-se estabelecer procedimentos e controles rigorosos para detectar e relatar atividades suspeitas.

A utilização de tecnologias como criptografia de ponta a ponta, autenticação multifatorial e monitoramento contínuo também garantem a segurança. Além disso, a realização de auditorias regulares das atividades permite identificar e corrigir possíveis vulnerabilidades.

Nesse cenário, criar um banco digital exige preparação para responder rapidamente a incidentes, como violações de dados, ter planos de resposta bem definidos e equipes preparadas para lidar com essas situações é um ponto-chave para minimizar danos.

Plataformas

Existem plataformas whitelabel que permitem que a empresa responsável por criar um banco digital revenda toda a tecnologia de forma replicável aos seus clientes, que por sua vez, podem revender serviços financeiros.

Servidores

O BaaS se insere no contexto de servidores na nuvem. Neste contexto, refere-se a um modelo em que instituições financeiras disponibilizam serviços bancários e financeiros por meio de APIs para terceiros. Esses podem incluir empresas de tecnologia, startups e outras empresas.

O objetivo é incorporar serviços bancários, como abertura de contas, processamento de pagamentos, empréstimos e gestão de finanças, em suas próprias plataformas e aplicativos. Ou seja, sem a necessidade de construir toda a infraestrutura bancária do zero.

4. Fornecedores e parceiros

Criar um banco digital envolve o trabalho de diversos profissionais, é bom identificar parceiros e fornecedores confiáveis.

Por exemplo, empresas especializadas em conformidade regulatória oferecem expertise no que se refere à adequação à lei, à prevenção de irregularidades e ao monitoramento de transações.

Já as empresas especializadas em soluções de pagamento, como processamento de cartões, transferências eletrônicas e pagamentos móveis, são essenciais para garantir o funcionamento das transações financeiras.

Quanto aos serviços de custódia, destinam-se, entre outros fatores, à proteção dos ativos financeiros dos clientes. No que se refere à segurança cibernética, são fornecidas soluções avançadas para proteger o banco digital contra ataques de hackers, por exemplo.

Por sua vez, criar um banco digital é algo vinculado a dados, sendo interessante buscar parceiros para fazer testes A/B e obter insights para melhorar os serviços e a experiência do cliente.

5. Suporte técnico

O suporte técnico e a manutenção garantem que o banco digital opere de forma contínua e atue para eliminação de bugs e erros. Ele permite que a infraestrutura tecnológica e os sistemas funcionem de modo eficaz.

É como uma orquestra que conta com a perspicácia do regente para detectar instrumentos desafinados.

Em outras palavras, serve para a resolução de problemas operacionais e pode abranger áreas como questões de conectividade, códigos de programação, problemas de software, de acesso e gestão de sistemas de bancos de dados, gestão de incidentes, entre outros.

6. Monitoramento e melhoria contínua

O monitoramento e a melhoria contínua não podem ser negligenciados, especialmente quando consideramos as perspectivas e tendências futuras.

Esses processos abrangem a avaliação constante do desempenho, a identificação de oportunidades de aprimoramento e a implementação de mudanças para garantir a competitividade do banco digital.

Isso é possível ao acompanhar os avanços tecnológicos e por meio da coleta e análise de dados, feedback dos clientes e avaliações de risco.

A ideia é que o banco digital se mantenha relevante e não fique para trás ao considerar um ambiente de negócios dinâmico, para fomentar a sustentabilidade e o crescimento a longo prazo.

Com o advento da inteligência artificial e da análise preditiva, é possível prever tendências, identificar padrões e antecipar necessidades dos usuários.

Para finalizar, neste artigo vimos como funciona um banco digital, os benefícios para empresas de diferentes setores em disponibilizar a plataforma bancária para clientes e o passo a passo de como criar um banco digital.

Como você deve ter percebido, é algo que envolve um certo nível de complexidade. Por isso, é essencial contar com a expertise de quem já tem experiência no mercado, como é o caso da Dimensa.

Já desenvolvemos mais de 150 bancos digitais e possuímos tecnologia completa para criar um banco digital personalizado para cada negócio.

Conheça a solução da Dimensa para o seu negócio e impulsione a sua empresa no mercado!

Em resumo

Como criar um banco digital?

  1. Identificar o público-alvo por meio de pesquisas de mercado.
  2. Analisar concorrentes diretos e indiretos.
  3. Compreender as tendências atuais e futuras do mercado.
  4. Estar em conformidade com as regulamentações financeiras para obter licenças e operar dentro da lei.
  5. Montar uma infraestrutura tecnológica e investir na segurança.
  6. Suporte técnico e monitoramento constante para realizar melhorias.
  7. Ter fornecedores e parceiros confiáveis para atuar em diversos setores.

Quais os benefícios de criar um banco digital?

  • maior atração de clientes;
  • ofertar serviços financeiros sem ser uma instituição bancária;
  • redução no custo dos negócios;
  • mais fontes de receitas devido à ampla variedade de produtos e serviços;
  • parcerias com outras empresas e instituições para ofertar produtos complementares.

crédito da imagem: Freepik

Compartilhe o artigo
Buscar artigos:

Artigos semelhantes


Banco Digital
Banking as a Service (BaaS): conceito, funcionamento e benefícios
O Banking as a Service (BaaS) tem movimentado os serviços financeiros. Ele permite criar um banco d...
Leia mais
Não deixe de acompanhar nossas atualizações.
Inscreva-se em nossa newsletter
para receber conteúdos exclusivos.
Siga nossas redes sociais
linkedin facebook pinterest youtube rss twitter instagram facebook-blank rss-blank linkedin-blank pinterest youtube twitter instagram